Logo
Plantio Direto

Agricultura
Tecnologia
Informação

Área do assinante

ASSINE LOGIN
ATENDIMENTO
VIA CHAT
(54) 3311-1235

RevistaNOTÍCIAS

Produtos fitossanitários: aspectos positivos, negativos, oportunidades e desafios
Data de publicação

10
Dezembro
2019

Produtos fitossanitários: aspectos positivos, negativos, oportunidades e desafios

Por José Otavio Menten, Presidente do Conselho Científico Agro Sustentável (CCAS), Eng. Agrônomo, Mestre e Doutor em Agronomia, Pós-Doutorado em Manejo de Pragas e Biotecnologia e Professor Associado da ESALQ/USP

 

A análise SWOT é uma técnica utilizada para identificar as forças, fraquezas, oportunidades e ameaças em diversas áreas, em atividades. Os produtos fitossanitários são insumos agrícolas que protegem as plantas contra as pragas (insetos, agentes causais de doenças e plantas daninhas), contribuindo para que expresse seu potencial produtivo.

Estima-se que as pragas ainda causam danos de pelo menos 40% na produção, apesar de todas as medidas de manejo utilizadas. Daí a necessidade de se continuar desenvolvendo e aprimorando as alternativas de controle. Também se estima que, se os produtos fitossanitários não forem utilizados, a produção vegetal será reduzida pela metade.

Entretanto, a imagem e percepção desses produtos na sociedade, cada vez mais urbana e sem vínculos com a produção agrícola, não são das melhores, mesmo sendo esta uma ferramenta utilizada pela maioria dos produtores rurais. É necessária uma comunicação eficiente para promover a confiança dos consumidores de alimentos, mostrando que há muita ciência e tecnologia dando suporte aos produtos que são utilizados pelos agricultores.

Pontos positivos: os produtos fitossanitários usados são registrados, ou seja, após cerca de dez anos de desenvolvimento pelos fabricantes são analisados pelos pontos de vista do agronômico (MAPA), toxicológico (ANVISA) e ambiental (IBAMA). São produtos muito estudados e seguros. E, somente devem ser vendidos a pessoas com receita agronômica e manuseados por profissionais habilitados.

Pontos negativos: a comunicação do setor de defesa vegetal com a sociedade precisa melhorar. É preciso que prevaleçam as visões dos especialistas (professores, pesquisadores, profissionais de fiscalização, produção, etc), já que se trata de tema técnico e complexo. Também há necessidade de atenção quanto à utilização correta e segura dos fitossanitários, em especial e relação à dose, período de carência e número das aplicações. Ainda assim, alimentos produzidos no Brasil são saudáveis, atendendo as exigências nacionais e internacionais.

Oportunidades: é fundamental que o Manejo Integrado de Pragas (MIP) sempre seja a meta. Deve-se desenvolver e utilizar todas as medidas de controle (legislativas, genéticas, culturais, físicas, mecânicas, biológicas e químicas).

É imprescindível desenvolver e registrar produtos, tanto químicos como biológicos, eficientes e com características toxicológicas e ambientais adequadas. Assim como de se aprimorar a aplicação desses produtos, com equipamentos adequados, devidamente regulados e calibrados e em condições climáticas satisfatórias.

Desafios: o principal desafio é mostrar para a sociedade ser possível produzir alimentos saudáveis utilizando produtos fitossanitários. Outro ponto é a modernização da legislação; em 30 anos há necessidade de incorporação da análise de risco, maior harmonização entre os órgãos registrantes (MAPA, ANVISA e IBAMA), agilização do processo de registro, priorizando os produtos com novos mecanismos de ação, já sendo utilizado em países concorrentes do Brasil.

Estes produtos são fundamentais para o enfrentamento de um dos grandes problemas atuais: o surgimento de pragas resistentes a produtos fitossanitários. Outro desafio é a melhoria de ATER (Assistência Técnica e Extensão Rural) para manter sempre presente nas operações as BPAs (Boas Práticas Agrícolas). Enfim, os produtos fitossanitários são bons e extremamente necessários, mas precisam ser aplicados corretamente.

Sobre o CCAS

O Conselho Científico Agro Sustentável (CCAS) é uma organização da Sociedade Civil, criada em 15 de abril de 2011, com domicilio, sede e foro no município de São Paulo-SP, com o objetivo precípuo de discutir temas relacionados à sustentabilidade da agricultura e se posicionar, de maneira clara, sobre o assunto.

 

O CCAS é uma entidade privada, de natureza associativa, sem fins econômicos, pautando suas ações na imparcialidade, ética e transparência, sempre valorizando o conhecimento científico.

 

Os associados do CCAS são profissionais de diferentes formações e áreas de atuação, tanto na área pública quanto privada, que comungam o objetivo comum de pugnar pela sustentabilidade da agricultura brasileira. São profissionais que se destacam por suas atividades técnico-científicas e que se dispõem a apresentar fatos concretos, lastreados em verdades científicas, para comprovar a sustentabilidade das atividades agrícolas.

 

A agricultura, apesar da sua importância fundamental para o país e para cada cidadão, tem sua reputação e imagem em construção, alternando percepções positivas e negativas, não condizentes com a realidade. É preciso que professores, pesquisadores e especialistas no tema apresentem e discutam suas teses, estudos e opiniões, para melhor informação da sociedade. É importante que todo o conhecimento acumulado nas Universidades e Instituições de Pesquisa seja colocado à disposição da população, para que a realidade da agricultura, em especial seu caráter de sustentabilidade, transpareça. Mais informações no website: http://agriculturasustentavel.org.br/. Acompanhe também o CCAS no Facebook: http://www.facebook.com/agriculturasustentavel.

Enviando

Carregando...