Logo
Plantio Direto

Agricultura
Tecnologia
Informação

Área do assinante

ASSINE LOGIN
ATENDIMENTO
VIA CHAT
(54) 3311-1235

RevistaNOTÍCIAS

Plantio da soja está pratciamente concluído no Estado
Data de publicação

02
Janeiro
2020

Plantio da soja está pratciamente concluído no Estado

Por Taline Schneider (Assessoria de Imprensa da Emater/RS-Ascar)

 

Plantio da soja no Rio Grande do Sul já alcançou 99% da área prevista para a safra de 5,9 milhões de hectares. De acordo com o Informativo Conjuntural divulgado, nesta quinta-feira (02/01), pela Emater/RS-Ascar, em parceria com a Secretaria de Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural (Seapdr), 85% das lavouras estão em fase de desenvolvimento vegetativo, 14% em floração e 1% na fase de enchimento de grãos.

Segundo o diretor técnico da Emater/RS, Alencar Rugeri, a Gerência de Planejamento (GPL) começou a realizar o levantamento dos possíveis efeitos das condições climáticas dos últimos dias, pela falta de chuvas e calor excessivo. 

Na última semana, a implantação da cultura do milho chegou a 95% da área de mais de 777 mil hectares da intenção de plantio no Estado. Das lavouras implantadas, 29% estão na fase de desenvolvimento vegetativo, 16% em floração, 37% em enchimento de grãos, 17% maduro e por colher. Já se tem 1% colhido.

A cultura do arroz está implantada em 100% da área de mais de 944 mil hectares prevista para esta safra. O tempo favorável em todas as regiões permitiu o avanço nos plantios, além de favorecer o desenvolvimento da cultura. Das lavouras implantadas, 90% estão na fase de desenvolvimento vegetativo e 10% em floração.

OLERÍCOLAS

Na região administrativa da Emater/RS-Ascar de Lajeado, nos últimos 21 dias, as precipitações ocorridas ficaram abaixo da média, dispersas do início ao fim do período, mas com baixa intensidade. Contudo, até o momento, não há escassez de água, pois a maioria dos olericultores conta com boas reservas em açudes. No entanto, o clima esquentou muito nesta última semana e já se observam sinais de prejuízos em algumas atividades. Ao contrário de anos anteriores, a onda de calor que começou a castigar a região desde 23 de dezembro veio repentinamente, surpreendendo muitos olericultores. Alguns produtores relatam que diminuiu a comercialização na Ceasa e no mercado em geral, em razão da época do ano e como reflexo do período de férias, quando diminui muito a população na região Metropolitana.

FRUTÍCOLAS

Na região administrativa da Emater/Ascar de Lajeado, as temperaturas elevadas dos últimos dias, com médias acima de 29ºC, possivelmente travarão a indução floral dos cultivares de dias neutro de morango, que produzem relativamente bem nesta época, dentro dos limites. De forma geral, os preços têm se mantido estáveis. O morango não apresentou elevação de preços mais significativa como esperado, porque o suposto incremento de demanda no Natal acabou não acontecendo.  Houve boa oferta de pêssego e melancia e, além disso, a percepção dos produtores é de que o movimento de comercialização na Ceasa, como um todo, ficou abaixo do esperado para esta época do ano.

PASTAGENS

Nas últimas semanas, a continuidade de um período climático de reduzidas precipitações vem causando redução no crescimento das pastagens nativas e cultivadas. Com esse quadro, as condições alimentares e nutricionais das forragens começam a ficar comprometidas.

BOVINOCULTURA DE CORTE

Nas diversas regiões do RS, o gado bovino de corte apresenta estado físico e sanitário satisfatórios. No entanto, o ganho de peso está ficando abaixo do esperado para a época do ano, especialmente nas regiões da pecuária localizadas nas áreas mais secas. O clima mais seco, por outro lado, favorece o controle de parasitos internos e externos. No manejo reprodutivo, tem continuidade a temporada de monta e/ou inseminação artificial na maior parte das propriedades.

BOVINOCULTURA DE LEITE

Os rebanhos bovinos de leite do Rio Grande do Sul estão em boas condições físicas e sanitárias. Já os níveis de produção leiteira, especialmente nas áreas mais secas, começam a apresentar queda na quantidade e na qualidade. Os dois principais fatores para essa diminuição da produção são a menor disponibilidade de massa verde e o estresse térmico. Para reduzir o efeito desses fatores negativos, os criadores utilizam táticas de manejo e alimentação, entre elas a oferta de sombra, água e suplementação alimentar para as vacas. Muitos produtores estão antecipando a colheita do milho para silagem plantado mais cedo, para evitar maiores prejuízos que podem resultar do período de estiagem.

OVINOCULTURA

Os rebanhos ovinos gaúchos estão em bom estado corporal e sanitário. O clima mais seco tem propiciado menor infestação por vermes e outros parasitos e favorecido a diminuição de problemas de casco. No manejo reprodutivo, são destaques a seleção e o preparo de matrizes e carneiros, tanto nas propriedades que adotam encarneiramento em janeiro e fevereiro quanto naquelas onde ocorre em março e abril.

APICULTURA

O clima mais seco continua favorecendo a atividade das colmeias, mas a floração ficou prejudicada em diversas áreas, refletindo-se em menor produtividade. A safra de primavera continua em andamento, com resultados diferenciados em diferentes regiões do Estado.

 

 

 

Enviando

Carregando...